Paulo Henrique Gouveia

12714236_10153321281731867_1693169328_nO esporte foi sempre na minha vida uma válvula de escape, o que me equilibra… Quando criança era um meio de gastar minha energia…. ficava fascinado com as olimpíadas e me imaginava algum dia participando de tal evento que tanto me encantava…. Na adolescência veio a musculação… que contribuiu muito com minha auto estima, já que a magreza me incomodava muito…. foram anos puxando ferro!!! Em 2008 após passar por dificuldades financeiras passei por um período deprimido e precisava fazer alguma coisa para mudar esse cenário, dediquei-me assiduamente no trabalho e passei a devorar livros de autoajuda…. O Monge Executivo me mostrou o que eu já vinha sentindo no trabalho, o prazer de servir aos outros…. Mas faltava alguma coisa na minha rotina que me trouxesse o equilíbrio que eu buscava. Me inscrevi em uma academia e passei a ir todos os dias antes de trabalhar…. Meu humor mudou da água pro vinho, era aquilo que estava faltando na minha vida…. comecei na musculação…. até que um dia encontrei um amigo que tinha corrido uma etapa do circuito das estações, nunca havia me interessado por corrida e nem fazia ideia que haviam várias provas de corrida que podíamos nos inscrever para correr aos finais de semana. Fiquei fascinado pela maneira como ele falou da atividade de correr… da camiseta que ele usava da prova feita naquele dia e da medalha que ele havia conquistado. Ele havia corrido uma prova de 5km e iria correr outra de 5 milhas da mizuno dois meses depois…. comecei a correr todos os dias na academia e me inscrevi pra tal prova.. .. uma semana antes da prova comecei a sentir muita dores nos calcanhares, resolvi procurar um ortopedista após a prova para não correr o risco de ser proibido de corre-la…. Não fazia ideia do que me esperava, arrumei um frequencímetro emprestado e fui pra minha primeira prova de rua em março de 2011. Foi um sofrimento horrível, queria terminar na frente do meu amigo…. corri em disparada empolgado com aquele ambiente maravilhoso…. meu batimento cardíaco médio ficou em 190/min com máximo de 208/min, não fazia ideia do quanto aquilo era perigoso, saí da prova mancando muito e não entendendo como alguém conseguia correr 10km já que eu não era capaz de dar mais nenhum passo, mas muito orgulhoso de ter conseguido minha primeira medalha. Dias depois fui ao ortopedista, que me pediu uma tomografia dos pés e constatou que eu estava com fratura por estresse nos dois calcanhares, isso explicava a dor intensa e parte do batimento tão elevado, somado ao pouco tempo de treinamento. Dali para frente passei a ser mais responsável, devorei o máximo de literatura possível, comprava todas revistas especializadas e aos poucos fui me tornando um corredor amador de verdade. Parti para as provas de 10km, no segundo ano corri minha primeira meia e comemorei meu segundo ano como corredor na Disney para fazer minha primeira maratona no desafio do pateta de 2013. De lá para cá já se vão 9 maratonas, um X Terra 50K em Ilha Bela em 2014 e inúmeras meias. Dia 10/03 corro minha 10º maratona em Montevideo e após conseguir de forma despretensiosa terminar a maratona de Buenos Aires do ano passado em 3h24min, pretendo voltar esse ano na capital portenha para começar a tentar meu índice para Boston. Bom, é isso, a corrida e trouxe o equilíbrio que eu tanto buscava…. Um grande abraço e boas provas!

Deixar um comentário